29 de setembro de 2016 Kareemi 0Comment

A conversa de hoje é justamente sobre um assunto que a maioria das pessoas cadastradas no grupo  “Viver Com Leveza”, que flui por e-mails, me escreveu pedindo:

“Kareemi, você precisa falar sobre relacionamentos amorosos, é sempre muito complicado isso na minha vida!” – esse foi um dos pedidos entre tantos outros, sempre relatando dificuldades e problemas nessa “com o amor”!

Gente do céu! O Amor anda complicado mesmo, hein… rsrs

Aliás sempre foi e sempre vai ser porque o que o complica somos nós: os seres humanos! O amor é simples, único, leve… mas a gente não, né rs

Olha, eu não sou uma guru do amor e nem um pouco expert no assunto, mas o que eu vou propor a você nesta conversa, é algo que com certeza você já ouviu, já sabe, mas talvez não esteja aceitando ainda; porque o que deixa o “amor ser complicado” aos seus olhos, à sua forma de ver e viver os relacionamentos, de novo é o que eu sempre falo aqui:

Mindset repetindo padrões chatos na sua vida!
O ponto “chave” desse assunto é o amor em você, para você e por você – por mais que isso não entre na sua cabeça ainda!

Essa história de que “todo mundo tem que viver em parzinho”, começa na infância já, com nossos pais, parentes, casais familiares. Depois vem as histórias infantis onde sempre o final feliz tem que ter um bendito casal! E tem as novelas e filmes onde as tramas giram em torno sempre das relações amorosas. No calendário também tem o “dia dos namorados”.

Gente, é uma conspiração interplanetária pra fixar na gente a crença de que “a Felicidade tá diretamente ligada aos relacionamentos”, né?! Vamos combinar…

A gente cresce com tudo à nossa volta indicando que “pra ser feliz só se tiver alguém do lado!” – E você acredita! Você comprou o conceito! Ele tá aí, mesmo que inconscientemente… mas tá! Porque isso tá impregnado na nossa cultura. É fato.

Eu fui uma mulher bem desconectada do meu feminino por muito tempo, então eu colecionei muitas das complicações que vocês tem me relatado. E hoje eu vejo que eu – naquela época – afirmava pra todo mundo que eu nunca ia casar, que ser mãe não estava nos meus planos, e que vivia muito bem sozinha. Eu acreditava nessas afirmações, mas essa crença de que “ter alguém” me faria feliz, tava enterrada em mim sim, mas eu não tinha como identificar, eu tava dormindo e dando cabeçadas. E a cada “furada” que eu entrava, eu ia me frustrando mais, achando que tinha alguma coisa errada comigo. E naquela época tinha mesmo, eu queria ser amada, aceita, eu queria que o outro me desse tudo o que eu não me dava… mas eu não sabia disso!

Eu estava inconsciente sobre o amor em mim, sobre eu me amar, sobre o amor estar em mim e principalmente, sobre eu ser o meu amor!

É por isso que os relacionamentos andam tão complicados: num sistema que “cega” pessoas e as condiciona a só “olhar pra fora”, buscando satisfação no externo.

Quem não se reconecta e olha pra dentro, investindo em si mesmo, continua nessa cilada aí de achar que “o outro vai me completar”.

Percebe?

Se eu acho que a minha felicidade está em encontrar alguém pra compartilhar a minha vida, eu tô ferrada! Porque eu sempre vou depender de alguém! E quem ficar comigo tá ferrado também! Olha a responsa que eu tô lançando no outro!

Eu sei que tudo o que tô dizendo aqui vai ser rejeitado pela maioria das pessoas que vivem amores complicados… porque essa crença é uma das mais difíceis de quebrar. Eu tenho plena consciência disso… geralmente ela só é quebrada se a pessoa cai de cabeça numa busca verdadeira ao encontro de si mesmo – ou busca espiritual, se preferir. Mas mesmo que você não aceite que se amar é só o que você precisa – e é o que vai transformar você e “descomplicar” o amor na sua vida – as sua histórias com o amor te provam o que eu tô dizendo,  você tá sempre repetindo o mesmo padrão nos seus relacionamentos. Seu mindset tá colocando você nas mesmas furadas. O ciclo não muda!

Por isso eu tenho que te desapontar e repetir isso aqui, é meu compromisso contribuir para que você quebre as crenças que te limitam de criar a sua vida e viver com leveza; e amor, claro!

Eu quero ressaltar também que estar com alguém é muito bacana depois que você compreende tudo isso, porque você vibra amor próprio e obviamente vai atrair alguém na mesma vibração, os  dois estão “em dia” nisso e então acaba fluindo uma relação de parceria, companheirismo, sem dependência, condição, mas…

aquele amor das histórias infantis, das novelas, filmes… never! ok? Romantismo “full time” não existe e se existisse ficaria cansativo, chato. Não convém às tantas aventuras de viver, mesmo ao lado de quem amamos. E nem por isso o amor é menos belo, decepcionante… o amor é incrivelmente real, lindo e perfeito com todas as imperfeições que temos.

Olha, eu poderia falar horas aqui sobre esse assunto e podemos falar mais – se quem acha que o amor anda complicado se abrir pra possibilidade de descomplicá-lo através, primeiro, do amor próprio – mas hoje a tecla que bato é justamente essa:

você é responsável pelos relacionamentos que tem atraído para a sua vida, e o que você tem atraído, é o que você está vibrando aí, dentro de você.

Pra fechar, eu me despeço trazendo uma fala muito sábia de um dos caras mais acordados que passou por esse planeta: Osho!

“Se você sofre, é para você. Se você se sente feliz, é para você. Se você se sentir contente é por você. Ninguém mais é responsável pela forma como você se sente. Só você e ninguém mais além de você. Você é o inferno e o paraíso também”.

Sacou? Até breve!

A vida depende de como você a vê, e não de como ela está. Viva com Leveza!

Beijo no Coração.

Para receber semanalmente e de forma gratuita o conteúdo exclusivo do grupo “Viver com Leveza”, cadastre-se aqui (clique).

Este texto é uma transcrição do vídeo O Amor anda complicado?, publicado no meu Canal do Youtube (clique para acessar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *